Quem paga pelos pecados do seu cônjuge?

O mal não pode ficar impune − o mundo exige justiça. Não só o mundo exige justiça, mas Deus é plenamente santo e justo − Ele exige justiça para o pecado. Sim, quando a dura realidade do pecado nos atinge, a justiça de Deus requer um castigo, mesmo porque o pecado cometido contra nós constitui uma ofensa primeiramente contra Ele. Este é apenas o começo.

Para os cristãos que compreendem e aceitam o ponto central do Evangelho, a boa nova é que Cristo pagou pelos nossos pecados.  Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, e todo aquele que crê no Filho não receberá o castigo justamente merecido pelo pecado (cf. Jo 3.16). O perdão não elimina a possibilidade de uma disciplina amorosa de Deus na vida do crente que comete pecado.

E Deus pode ocasionalmente nos usar como agentes dessa disciplina, que é aplicada em amor e tem por propósito restauração. No entanto, a penalidade do pecado, que exige justiça, está completamente paga em Cristo.

Como aplicar esta verdade quando o pecado se manifesta no relacionamento conjugal? Rick Thomas escreve sobre este assunto em Who pays for your spouse’s sin? Your spouse or Christ?.

Suponhamos que minha esposa, Lúcia, peque e eu fique irado com ela em resposta ao seu pecado. Nesse caso, que infelizmente acontece em nossa casa de vez em quando, eu assumo a responsabilidade de puni-la pelo seu pecado e passo a atuar como “Deus”, exigindo iradamente a justiça e perdendo de vista completamente o Evangelho. Cristo tomou sobre si a ira do Pai, morreu e ressuscitou para oferecer completa salvação a todos aqueles que crêem sinceramente nisso. Lúcia foi regenerada pela graça de Deus, já há muitos anos. Seu pecado passado, presente e futuro foi pago por causa do Evangelho. Quando eu respondo com ira ao seu pecado, eu faço aquilo que Cristo nunca faria a ela: eu a castigo.

Sacrifício ou castigo?
“Maridos, ame cada um a sua mulher, assim como Cristo amou a igreja e entregou-se por ela para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar da água mediante a palavra” (Ef 5.25-26).

Cristo não me faz pagar pelos meus pecados. Ele deu a Sua vida por mim em sacrifício pelos meus pecados. Se eu realmente compreendo o Evangelho, no momento em que a minha esposa pecar, a minha resposta deve ser um sacrifício motivado pelo Evangelho em vez de uma punição egoísta. Ou seja, quando ela pecar contra mim, ao invés de escolher a ira (castigo) como uma resposta ao seu pecado, devo escolher uma atitude de perdão (sacrifício).

Muitas vezes, porém, eu escolho a ira e, quando o faço, minha escolha desvirtua o nosso relacionamento. Em vez de eu servir a minha esposa a exemplo de Cristo, e ajudá-la a se aproximar de Cristo, eu complico a situação por pecar em resposta ao pecado dela. Eu assumo o lugar de juiz e, desta forma, sinto-me no direito de fazê-la pagar por seu pecado. Esta é uma deturpação do Evangelho, que zomba da morte de Cristo. Em essência, eu digo a Cristo:
…………Não me importo que o Senhor morreu pelos pecados da minha esposa. Ela pecou contra mim e eu vou passar por cima daquilo que o Senhor fez na cruz, e fazê-la pagar agora. O pecado exige um castigo e eu sinto que seria melhor se ela recebesse minha punição ao invés de deixá-la experimentar o poder purificador do Evangelho. Sim, o Senhor foi ferido pelas iniquidades dela, mas agora sinto a necessidade de feri-la pessoalmente por essas iniquidades (cf. Is 53.6).

No entanto, quando eu aplico de modo prático o Evangelho por ocasião de um pecado da minha esposa, eu vivo de acordo com o ensino de Paulo em Efésios 5.25-26. Nosso relacionamento não é desvirtuado pelo meu pecado, e minha esposa é santificada, purificada e lavada pela Palavra de Deus. Ao invés de ser forçada por mim à santificação, por meio do medo e da intimidação, ela experimenta em sua vida a liberdade, o favor e o poder da Cruz, onde a purificação verdadeira acontece.

Meu alvo é que a minha esposa caminhe em santidade. No entanto, quando eu a puno em lugar de perdoar o seu pecado, eu dificulto o caminho para que ela alcance justamente aquilo que eu mais desejo para ela

Você pune o seu cônjuge?
É hora de testar o seu cristianismo. Quando o seu cônjuge peca contra você, a sua reação é de castigo ou de sacrifício? Suponhamos que você, esposa, descubra que seu marido está viciado em pornografia. O Evangelho é real nesse momento? O que rege o seu coração quando ele peca: o desejo de puni-lo ou o desejo de ajudá-lo para que ele vá a Cristo e encontre perdão e mudança?

Quando seu cônjuge desaponta pela enésima vez, qual é a motivação principal do seu coração? Você pode descansar em Deus, o Juiz, ou você se sente na obrigação de ser juiz na vida do seu cônjuge?

Quando você mesmo peca… mais uma vez… você se sente tentado a punir a si mesmo por meio de um moralismo rigoroso, ou você se apropria do perdão concedido pela obra de Cristo na cruz?

Querida Igreja, se o nosso Evangelho faz sentido, então ele deve ser real no momento do nosso pecado, seja o meu ou o seu pecado. Caso contrário, anula-se o propósito redentor do sacrifício de Cristo.

Um comentário sobre “Quem paga pelos pecados do seu cônjuge?

  1. Apesar de não ser casado, achei muito bom o texto. Quero praticar esses princípios, guardadas as devidas proporções, com minha namorada. Muito bom!

Deixe uma resposta para Lucas Carvalho Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.