Como evitar o plágio intencional e o não intencional também

cortarcolar_post

É muito bom compartilhar com outros aquilo que aprendemos em nossas pesquisas e leituras. Podemos fazê-lo em postagens na mídia social ou em artigos, livros e gravações, em conversas ou aulas, As possibilidades são muitas e devem ser aproveitadas. No uso das fontes de informação, porém, podemos errar por desconhecer o que é o plágio e a seriedade tanto legal quanto espiritual de suas implicações. O fato é que o plágio continua a ser plágio mesmo quando é feito de forma não intencional.

 1. Recortar/colar. Ctrl C/Ctrl V. O plágio está presente no contexto ministerial tanto quanto no contexto acadêmico?
O uso das fontes de pesquisa com integridade é uma questão importante não só no mundo acadêmico, mas também no cotidiano e particularmente no âmbito ministerial. Quando você escreve um artigo, prepara um estudo bíblico ou uma tarefa prática, quando reúne material para uma palestra, é sempre recomendável que você pesquise e construa suas ideias e argumentos a partir do conhecimento da Bíblia que outros já adquiriram e nos transmitiram. No entanto, para que seu ensino tenha autoridade e, mais importante ainda, para que a sua vida cristã honre a Deus, você deve dar crédito às fontes que foram eventualmente usadas. Reconhecê-las indica que você não só é um pesquisador/educador responsável, mas é uma pessoa íntegra e confiável.

 2. O que é plágio?
O Dicionário Aulete define plágio como “apresentação de imitação ou cópia de obra intelectual ou artística alheia como sendo de própria autoria”.  O Dicionário Michaelis vai direto ao âmago do assunto: plagiar é “cometer furto”. A palavra plágio, conforme o Dicionário Priberam, vem do latim plagium, usado para indicar roubo, trapaça.

 3. O que pode ser considerado plágio?
O plágio inclui informações e ideias extraídas de livros, revistas, gravações de áudios ou vídeos e suas transcrições, páginas da internet e qualquer outro meio de informação. Todos nós sabemos que, quando usada descuidadamente, a internet é cúmplice do plágio facilitando em muito as ações de “copiar” e “colar”.

Nos termos da lei de direitos autorais atualmente vigente no Brasil, o artigo 7º da Lei 9.610/98 diz que

são obras intelectuais protegidas as criações do espírito, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro, tais como os textos de obras literárias, artísticas ou científicas; as conferências, alocuções, sermões e outras obras da mesma natureza; as obras dramáticas e dramático-musicais; as obras coreográficas e pantomímicas, cuja execução cênica se fixe por escrito ou por outra qualquer forma; as composições musicais, tenham ou não letra; as obras audiovisuais, sonorizadas ou não, inclusive as cinematográficas; as obras fotográficas e as produzidas por qualquer processo análogo ao da fotografia; as obras de desenho, pintura, gravura, escultura, litografia e arte cinética; as ilustrações, cartas geográficas e outras obras da mesma natureza; os projetos, esboços e obras plásticas concernentes à geografia, engenharia, topografia, arquitetura, paisagismo, cenografia e ciência; as adaptações, traduções e outras transformações de obras originais, apresentadas como criação intelectual nova; os programas de computador; as coletâneas ou compilações, antologias, enciclopédias, dicionários, bases de dados e outras obras, que, por sua seleção, organização ou disposição de seu conteúdo, constituam uma criação intelectual.

 4. Como o plágio pode manchar a prática ministerial?
No dia a dia do educador, discipulador e conselheiro, o plágio pode configurar-se como:
● usar em seu trabalho, escrito ou oral, uma opinião ou um conceito formulado por outra pessoa sem fazer menção ao autor original;
● copiar parte de um texto palavra por palavra, seja de livro ou da internet, e usar sem fazer a devida referência ao autor;
● fazer a paráfrase de um texto, trocando só algumas palavras para “mascarar” a cópia, sem indicar devidamente a fonte da ideia;
●  fazer uma justaposição ou mistura de partes de textos, reformulando a ordem ou simplesmente emendando parágrafos copiados sem dar crédito ao autor original;
● deixar de indicar claramente – por meio de aspas ou de recuo na formatação – quando começam e terminam as citações usadas na redação de um trabalho;
● apresentar como seu um inteiro trabalho feito por outra pessoa.

 5. Posso fazer uma citação sem ser plágio?
Convém lembrar que, pelo artigo 46 da Lei nº 9.610/98, não constitui plágio:
● a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem da obra —  ou seja, você pode (e deve) fazer citações referenciadas;
● o apanhado de lições em estabelecimentos de ensino por aqueles a quem elas se dirigem, vedada sua publicação, integral ou parcial, sem autorização prévia e expressa de quem as ministrou — ou seja, você pode (e deve) fazer anotações em aulas, palestras, sermões, mas não pode pegar, por exemplo, apostilas e slides de apresentações preparadas por seus professores ou outros preletores e distribuir com o seu nome, sem ter autorização para tanto e sem dar o devido crédito.

 6. O que é “conhecimento comum”?
Não constitui plágio o uso do conhecimento comum. O que é conhecimento comum?  É um conhecimento de domínio público como, por exemplo, o ano em que aconteceu a Reforma Protestante. No entanto, comentários sobre a Reforma Protestante devem ser devidamente referenciados.

 7. Por que é essencial não cometer plágio?
O plágio é algo grave, mesmo quando cometido por descuido. Nas instituições acadêmicas, as implicações do plágio costumam ir da exposição e retratação pública ao afastamento do aluno ou professor. E na prática ministerial? Plágio é pecado diante de Deus e daqueles que são por ele lesados.

● Plagiar significa furtar, ou seja, apoderar-se de algo que é de propriedade intelectual de outra pessoa e desobedecer diretamente à ordem de Deus.
Sabes os mandamentos: Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não defraudarás ninguém, honra a teu pai e tua mãe – Marcos 10.19.

● Plagiar significa enganar o próximo, passando uma impressão mentirosa de que você é o autor de uma ideia ou de um trabalho, quando você sabe que o copiou de outra pessoa.
Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo. Efésios 4.25a.

● Plagiar significa deixar de amar e considerar o próximo, não dando a outro autor a honra que lhe cabe.
O amor seja sem hipocrisia. Detestai o mal, apegando-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros – Romanos 12.9, 10.

● Plagiar significa julgar o seu leitor ou ouvinte e considerá-lo tolo ao pensar que ele nunca descobrirá que foi enganado por você.
Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também – Mateus 7.1, 2.

● Plagiar é violar a lei brasileira de proteção autoral e acordos internacionais, com implicações civis e penais. No Brasil, os direitos e obrigações estão estabelecidos na Constituição Federal, Artigo 5o., Parágrafos 27 e 28, no Código Civil e na Lei 9.610/98, bem como em acordos internacionais (fonte: PUC-Rio – Plágio e direito de autor no universo acadêmico).
Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação – Romanos 13.1, 2

 8. E em última análise…
Em última análise, o plágio expõe o seu coração:
Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias – Mateus 15.19
Ainda que o plagio passe sem uma punição aplicada por homens, as implicações espirituais são sérias na sua vida cristã. A solução é uma só: arrependimento, confissão e mudança prática!

 9. Como evitar o plágio?
● Durante sua atividade de pesquisa e leitura, tome nota cuidadosamente da procedência dos dados que você quer compartilhar ou aproveitar no seu ministério.

● Quando for usar as ideias próprias de um autor, ou as palavras diretas desse autor, cite a fonte: o nome do autor, o título da obra, o número da página onde está a informação e os demais dados que permitem que outra pessoa localize de onde você tirou a informação apresentada. No caso de pesquisa na internet, anote a URL e a data do acesso, ou use um mecanismo que já lhe dê os dados e guarde a citação como WebCite. Em situações informais, você não precisa seguir as regras de apresentação de referências bibliográficas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT); basta você dar os dados com clareza. Mas quando você precisar inserir referências bibliográficas formatadas de acordo com a ABNT, utilize a ferramenta MORE.

● Ao fazer um trabalho escrito ou preparar uma exposição oral, quando você estiver articulando ideias e desenvolvendo o seu argumento, é hora de usar as ideias e citações de outros autores para dar evidências, definições ou explicações. Como fazer? Relacione as ideias umas com as outras, discuta os dados encontrados, comente as afirmações. Não faça uma colcha de retalhos, ou seja, uma simples justaposição de citações.

 10. O que é uma citação, paráfrase ou resumo de um texto?
Esta tabela, que é parte do Guia de pesquisa, estudo e preparo de materiais para o ministério, pode ajudar a compreender os diferentes usos.

Citação direta

O que é? Citar diretamente é escrever ou falar algo de autoria de outra pessoa, integralmente, usando as mesmas palavras do original.
Quando usar? Faça uma citação quando a expressão do autor é particularmente importante e impactante na transmissão da mensagem desejada, ou quando você quer analisar uma sentença em detalhes.
Como usar? Em trabalhos escritos, toda citação deve estar entre aspas. Se a citação for extensa, com mais de três linhas de texto, sua colocação deve ser em um parágrafo separado do texto principal e recuado. A fonte da citação precisa ser referenciada no próprio texto ou em nota de rodapé de forma que permita localizar o original. É essencial manter não só as palavras, mas a pontuação. Se o autor original cometeu, por exemplo, um erro ortográfico, você deve repetir o erro e acrescentar [sic] para mostrar que você identificou aquele erro, mas está transcrevendo as palavras exatas do autor.

Paráfrase

O que é? Parafrasear é transcrever as ideias do autor, de maneira completa, mas expressando em suas palavras e reordenando a estrutura da sentença.
Quando usar? A paráfrase é uma forma de evitar excessivas reproduções do texto original. Ela deve ser usada para capturar o significado de um texto original e não necessariamente a forma.
Como usar? Em trabalhos escritos, não é preciso colocar entre aspas, mas é preciso indicar a referência bibliográfica.

Resumo

O que é? Resumir é condensar os principais conceitos do trabalho de outra pessoa em suas palavras, omitindo detalhes. Exige fidelidade ao pensamento do autor.
Quando usar? Use o resumo quando você deseja se referir à ideia geral de uma obra, mas não quer descer a detalhes ou reportar integralmente o conteúdo original.
Como usar? Em trabalhos escritos, não é preciso colocar entre aspas, mas deve ser referenciado.

 11. Isso vale para as conversas informais também?
Nunca faça passar por suas as ideias e ilustrações originais de um ou outro autor. Na medida do possível, seja específico no dar o nome do autor e do livro ou o nome do site e do post usado, e assim por diante. Você estará não apenas sendo honesto, mas também ajudando a pessoa a conhecer bons recursos que ela pode usar também. Talvez você tenha recebido grande influência de um ou outro autor na sua forma de pensar e atuar. Seja transparente com as pessoas a quem você ministra habitualmente e compartilhe a fonte das influências marcantes em sua vida.

 12. BONUS: algumas ferramentas para detectar plágio em trabalhos escritos
Busca avançada do Google.
Além de buscar a frase ou parágrafo exatos entre aspas, você pode definir outras variáveis como data, tipo de arquivo.
Plagium
Para uma busca rápida gratuita, até 25.000 caráteres, basta colar o texto na janela de texto e clique em Busca Rápida.
Plagiarisma.net
A busca é limitada a 2000 caracteres e cada frase deve consistir de pelo menos 4 palavras e 30 caracteres.