Orientação básica para o primeiro encontro de aconselhamento

Paul Tautges

Mover os olhos do coração do seu aconselhado para longe de você, o conselheiro, e direcioná-lo para Deus, o Conselheiro eterno, deve ser o objetivo principal do seu primeiro encontro de aconselhamento. De forma prática, como você pode fazer isso? Aqui estão algumas orientações básicas.

-1- Direcione-o para o Conselheiro sempre presente e o trono da graça de Deus
Comece agradecendo a pessoa por mostrar o desejo de buscar a ajuda de Deus para essa luta específica em sua vida. Assegure-a de que você não é alguém que irá “consertá-la”, mas que Deus é quem nos ajuda e Ele nos deu Sua Palavra infalível e o Espírito Santo para serem nossos conselheiros (Sl 119.105; Jo 14.26). Lembre-a de que Jesus é o Sumo Sacerdote misericordioso e empático, que experimentou todas as formas de sofrimento que podemos imaginar e muito mais (Hb 4.15, 16). Leiam juntos o Salmo 46.

Instrua seu aconselhado dizendo que, visto Jesus ser o nosso Sumo Sacerdote, a porta da sala do trono de Deus já está aberta (Hb 4.16; 10.19). Guie-o em oração. Agradeça a Deus por ser nosso auxílio sempre presente nos momentos de dificuldade e peça que Ele guie seu tempo juntos, conduza à Sua verdade, abra seus olhos e ouvidos espirituais para ver e ouvir Sua Palavra, torne seu coração ensinável, ajude-os a ser lentos para falar e prontos para ouvir um ao outro, dê esperança e incentive seu aconselhado a ser praticante da Palavra e não meramente um ouvinte que se engana (Sl 119.12, 18; Tg 1.19, 22).

-2- Ouça muito, fale pouco
Leia Provérbios 18.13 para seu aconselhado: “Responder antes de ouvir é tolice e vergonha.” Em seguida, diga algo como: “Este versículo nos diz que é tolice falar antes de ouvir. Como não desejo ser tolo, pretendo deixar você falar a maior parte do tempo. Provavelmente farei muitas perguntas. Meu objetivo hoje é ouvir mais do que falar”.

A Bíblia nos exorta: “Alegrem-se com os que se alegram e chorem com os que choram” (Rm 12.15). Em outras palavras, o ministério eficaz requer que nos conectemos com os outros em suas preocupações. É raro que uma pessoa seja capaz de compreender e descrever a raiz do problema que a trouxe até você em busca de ajuda. Em vez disso, geralmente ela descreve os sintomas, como todos nós fazemos quando vamos ao médico. Ela pode pensar que está descrevendo seu verdadeiro problema, mas geralmente está dizendo como se sente, quais problemas relacionais pode estar enfrentando e que outros fardos carrega consigo. Seja paciente. Não se intrometa imediatamente, dizendo: “Você não está realmente me contando seu problema, mas apenas os sintomas”. Deixe o aconselhado falar. No momento certo, com a ajuda do Senhor e geralmente não no primeiro encontro, você o levará gentilmente a ver pelo menos uma necessidade espiritual básica relacionada ao amor a Deus, ao próximo ou a ambos.

-3- Faça perguntas
Faça o possível para interpretar o que seu aconselhado está dizendo. Muitas vezes, porém, você precisará de esclarecimentos por parte dele. O conselheiro perspicaz faz isso extraindo os pensamentos de uma pessoa (Pv 20.5). Para ganhar compreensão, faça perguntas como: “Você diz que sente que sua esposa não o respeita. Você pode me dizer o que especificamente faz com que você se sinta assim? ” ou “Você diz que seu marido não a ama mais. Por que você pensa assim?” ou “Você pode me esclarecer o que você quis dizer quando me contou que convidou Jesus para entrar em seu coração?” ou “O que você pensa ser seu maior problema? O que você já fez até aqui para resolvê-lo?” ou “De que forma você espera que eu o ajude? Que mudança você espera ver em sua vida quando terminarmos nossos encontros de aconselhamento?”.

-4- Aplique os versículos bíblicos apropriados
Novamente, lembre-se de que seu objetivo durante o primeiro encontro é ouvir bem e comunicar esperança e compaixão. Ao ouvir o aconselhado, preste atenção no “fio condutor” de suas palavras, que revela padrões habituais de pensamento. Ao fazer isso, anote pensamentos específicos e chame a atenção da pessoa para uma ou duas passagens bíblicas pertinentes, que transmitam esperança. O Espírito Santo irá guiá-lo à medida que você estiver pronto a ouvir, mas é bom seguir o exemplo do sábio pregador do Eclesiastes e sempre ter em mãos um “prato preparado” para servir, ou seja, uma coleção de verdades bíblicas cuidadosamente selecionada para alimentar a alma do seu aconselhado (Ec 12.10, 11).

-5- Dê esperança bíblica atribuindo atividades práticas
Comunicar ao aconselhado que a Palavra de Deus tem as respostas e que Deus realmente ajudará a pessoa que está disposta a andar em obediência pela fé dará o encorajamento que é tão importante a esta altura. Essa esperança, frequentemente, impulsionará a pessoa em direção a uma mudança bíblica no coração, na mente e na ação. Atribuir uma atividade prática apropriada envolverá seu coração e sua mente no processo de mudança antes que volte a se encontrar com você. A atividade prática responsabiliza o aconselhado por seu próprio crescimento, encorajando assim a ação para a mudança (Fp 2.12, 13). A atividade prática para fazer entre os encontros testa a sinceridade do desejo e disposição da pessoa para crescer e é uma grande ajuda para conduzi-la para a renovação diária da mente, pois ativará e direcionará seu pensamento para a verdade bíblica (Rm 12.1, 2; Ef. 4.22-24).

-6- Leve-os novamente ao trono da graça em oração
Ao encerrar o encontro, agradeçam a Deus pela certeza de Sua ajuda e presença. Peça que o Espírito Santo auxilie na aplicação dos recursos que Ele dá para a mudança. Compreenda o valor da oração como parte do seu aconselhamento e reserve um tempo para orar com o aconselhado, não apenas por ele.

Perguntas para refletir
— Como você descreveria suas habilidades de escuta?
— De que forma Deus deseja que você cresça em amor e compaixão genuínos?
— Quão importante para você é orar com seus aconselhados?
— De que forma você pode intencionalmente mover o foco de seu aconselhado de você, como o conselheiro, para Deus, o Conselheiro eterno?


Paul Tautges está no ministério há quase trinta anos e serve como pastor da Cornerstone Community Church em Cleveland, Ohio. Ele escreveu ou editou mais de cinquenta livros, entre os quais A Small Book for the Hurting Heart, Anxiety: Knowing God’s Peace, and Counseling One Another. Você pode acessar seu blog em www.counselingoneanother.com.


Original: Basic Guidance for the First Counseling Session
Artigo publicado pela Biblical Counseling Coalition
Usado com autorização