Automutilação: entendendo e ajudando biblicamente (parte 2)

muti2_post

No artigo Self-Mutilation: faith in whose body and blood, Jeremy Lelek, escreve sobre o problema da automutilação do ponto de vista de um conselheiro bíblico que deseja oferecer ajuda e esperança centradas em Cristo Jesus.

Automutilação: fé no corpo e sangue de quem?

Um sintoma de lutas mais profundas
Automutilação é um fenômeno de grande expressão entre os adolescentes assim como entre aqueles que conhecem o terrível sofrimento do abuso sexual. Esses indivíduos utilizam a dor e as feridas da automutilação como um meio para escapar da dor provocada por emoções que os atormentam como a depressão, a culpa e a vergonha. Esse comportamento pode se tornar profundamente compulsivo e é acionado por impulsos aparentemente incontroláveis. A automutilação é um problema por si mesmo, mas é também um sintoma de um problema mais profundo no sentido de que sempre aponta para as lutas internas significativas que assolam aquele que se corta. Mesmo que a complexidade desse comportamento não possa ser explicada em um breve artigo, diversos pontos podem ser destacados de forma que, quando utilizados, podem servir para trazer um novo entendimento a um filho ou amigo que se sente escravizado por esse desejo incessante.

Ajudando outros: ouça com atenção
Em primeiro lugar, é importante levantar os dados que serão úteis para ajudar uma pessoa que pratica a automutilação. Reconhecer que o comportamento é um meio para atingir um fim pode equipar você para fazer perguntas que coletem dados, com potencial para levar ao “porquê” desse comportamento confuso. Por exemplo, faça perguntas que lancem luz sobre a dor emocional, o pensamento ou a memória que parece devastar seu filho ou amigo. Sondar a utilidade do comportamento pode ser de ajuda. Por que a pessoa se corta? Por que isso parece trazer realização a ela? De que maneira isso serve como uma anestesia temporária para a dor emocional? O corte serve como um meio para punir o corpo? Por que esse tipo de punição é necessária? Por que há um padrão específico (i.e., processo de pensamento, localização dos cortes no corpo etc.)? Tais perguntas não têm necessariamente a intenção de atingir a “raiz” do problema. Elas simplesmente ajudam você  a entender a lógica e as razões que levam a pessoa a acreditar que é necessário voltar-se a um comportamento tão extremo.

O corpo: propriedade de Deus
Uma vez que você adquire entendimento sobre como a pessoa enxerga o problema, é imperativo ajudá-la a adquirir um entendimento bíblico da questão. Primeiro, esse comportamento expõe a visão que ela tem do corpo. Para ela, o corpo é uma mera propriedade que pode ser abusada e tratada conforme ela bem escolher. É importante percorrer com a pessoa vários textos bíblicos que ilustrem o entendimento correto do corpo. Ao invés de usar o corpo como um entorpecente para aliviar a dor, os cristãos são levados a aprender que o corpo é propriedade de Deus (Gn 1.27). Para o crente isso é mais significativo uma vez que  ele foi, na verdade, comprado pela morte de Jesus Cristo (1Co 6.20). Além do mais, é necessário que as pessoas adquiram o entendimento de que o corpo serve como um templo do Espírito Santo e, portanto, não deve ser abusado nem usado para propósitos ritualísticos (1Co 6.19). Ao contrário, o corpo deve ser usado para glorificar a Deus.

Um refúgio seguro: Deus ou a automutilação?
Outro componente relevante no que diz respeito à automutilação é o fato de essa prática ser um substituto de Deus como refúgio para consolo e paz. Ajude seu amigo ou ente querido a identificar as mentiras em que ele pode estar acreditando e a ver como essas mentiras facilitam uma vida semelhante à daqueles que “mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura, em lugar do Criador” (Rm 1.25). Em essência, a automutilação torna-se a alternativa que rouba o lugar de Deus na busca de uma fonte de esperança e conforto em meio a um sofrimento imenso.

Corpo e sangue de quem?
Finalmente, mostre àqueles a quem você está ajudando o retrato poderoso de Jesus Cristo e a disposição que Ele demonstrou ao permitir que Seu próprio corpo fosse mutilado a fim de que eles pudessem se ver livres da corrupção do pecado e desfrutar de um relacionamento íntimo com Deus. Sua morte brutal abriu o caminho para que os cristãos pudessem ser equipados com tudo aquilo de que precisam para a vida e a piedade, até mesmo quando há uma forte dor emocional no coração (1Pe 1.3). Quando as emoções intensas inundam a alma, ajude-os a desenvolverem a disciplina de deixar para trás seu próprio sangue e cicatrizes (infligidas por machucarem a si mesmos) e a se voltarem em direção àquilo que lhes foi dado no corpo e sangue de Jesus Cristo (Jo 6.52-58). Ao lidar com aqueles que usam a automutilação como forma de punição, ajude-os a entenderem melhor e a aceitarem a completa redenção oferecida na obra de Jesus Cristo.

Automutilação: em evangelho alternativo
A automutilação é, em última análise, um ato de substituir a obra de Cristo, e aquilo que Seu corpo e Seu sangue simbolizam, por uma forma de redenção criada pela própria pessoa. Quando as pessoas encontram saída e liberdade em seu próprio sangue e sofrimento estão basicamente rejeitando o que Jesus ofereceu livremente por meio de Seu próprio sofrimento físico. O cristão tem uma oportunidade maravilhosa de mostrar a essas pessoas o único Redentor digno de louvor e adoração!

Lista para ajuda prática

  1. Leia João 6.52-58. converse sobre a importância desses versículos no que se refere ao corpo e ao sangue de Jesus, e ao significado de “comer a carne e beber o sangue de Cristo”.
  2. Considere como a automutilação é uma tentativa para substituir o que nos foi dado por Jesus.
  3. Leia o Salmo 91 e medite nele. Contemple a importância de buscar a Deus (e outros cristãos) quando as circunstâncias ou emoções dolorosas surgirem.
  4. Converse com o aconselhado sobre as lutas emocionais pelas quais ele está passando. Procure oferecer esperança e conforto. Procure conselho bíblico para ajudar seu filho ou amigo a lidar com suas emoções difíceis.

Uma oração
Santo Senhor e Redentor. Pedimos que o Senhor revele o poder de Seu sangue e da obra da cruz àqueles que lutam com a automutilação. Mostre a suficiência da Sua obra no que diz respeito a esse problema e mostre como destruir o corpo com o propósito de encontrar paz é o mesmo que desprezar o Senhor e aquilo que o Senhor ofereceu. Conforte aqueles que lutam com a vergonha, culpa e depressão. À medida que eles meditam no Salmo 91, dirija-os para que encontrem abrigo não em si mesmos, mas debaixo da sombra do Todo-Poderoso. Ajude-nos a amar aqueles que lutam tão desesperadamente que recorrem a meios extremos para encontrar alívio. Obrigado por ter mandado essas pessoas até nós para que possamos confortá-las com o mesmo conforto que temos recebido do Senhor. Oramos em nome do Cordeiro ressurreto, Jesus Cristo. Amém.

Leia também Automutilação: identificando o problema