Aconselhando um mentiroso – Parte 1

O coração de uma mentira

Joshua M. Greiner

Nós todos já fizemos isso. Estávamos em um beco sem saída, não víamos nenhum escape. Consideramos todas as opções que tínhamos à nossa disposição, e escolhemos o caminho fácil. Nós mentimos.

Acalmamos a nós mesmos com uma variedade de afirmações para aquietar nossa consciência: “Eles não entenderiam”, “Foi necessário naquele momento”, “Eu não estava mentindo, só não estava dizendo a inteira verdade”, e assim por diante. Talvez não tenhamos mentido abertamente, talvez SÓ tenhamos enganado alguém. As pesquisas mostram ser menos provável que as pessoas mintam abertamente do que enganem alguém omitindo informações ou contando meias-verdades, mas não mentiras completas.

O que está no coração de um mentiroso? 
Por que as pessoas escolhem comunicar-se e agir dessa forma? Como ajudar de maneira cristocêntrica alguém que parece estar mentindo para você?

As escolhas pecaminosas podem ter uma variedade de causas que levam a um comportamento. No caso das mentiras, não há apenas uma, duas ou três razões específicas pelas quais alguém escolherá mentir. Pode haver um grande número de justificativas ou circunstâncias para justificar uma mentira, mas o agir enganoso não deixa de ser enganoso. Nesta série de postagens, veremos por que alguém mente e como ajudar essa pessoa a reconhecer o dano que está provocando ao tomar a decisão de mentir.

Vamos olhar para dois aspectos da questão. Em primeiro lugar, será que uma pessoa que escolhe habitualmente não dizer a verdade pode estar plantada em algum tipo de solo fértil? Uma árvore não pode crescer sem estar plantada em um terreno. Você não pode colher maças se o solo não estiver adubado, e esse adubo precisa conter uma mistura certa. Sem o adubo adequado, ou mesmo sem o solo adequado, os frutos não podem crescer.

Em segundo lugar, olharemos para os desejos do coração que conduzem uma pessoa a mentir em vez de dizer a verdade. Consideraremos isso a partir de uma compreensão de como nossos desejos podem ou não resultar em bons frutos. Os desejos podem fertilizar nosso solo e fazer com que os frutos cresçam, ou os desejos podem impedir o crescimento de bons frutos. Na base de toda árvore estão suas raízes. Essas raízes extraem nutrientes do solo para produzir os frutos. Se nossas raízes não estão firmemente plantadas em um solo fértil, rico em nutrientes, não temos como produzir bons frutos. Sem uma base firme, enraizada, os desejos do nosso coração provavelmente resultaram em ações que refletem crenças erradas e não produzem frutos ou, então, produzem frutos estragados, o que é tão ruim quanto ou ainda pior.

O solo fértil
Alguns nutrientes essenciais podem estar ausentes ou não estão sendo repostos no solo de alguém que conta mentiras habitualmente. O paralelo entre a vida espiritual de uma pessoa e o valor nutricional do solo é incrivelmente perceptível. Os componentes da fé cristã – também conhecidos como “nutrientes essenciais” – que estão faltando no coração das mentiras de um mentiroso são:
• A valorização daquilo que Deus valoriza
• A firmeza de julgamento de acordo com a Palavra de Deus
• A percepção dos resultados de acordo com o plano de Deus

Quando você mantém esses componentes da sua fé, eles operam para o seu bem, nunca contra você. Assegurar a mistura certa para um solo fértil permitirá o crescimento de bons frutos, mas você precisa entender que este solo vem inicialmente do próprio Deus, concedido-lhe em Cristo. A manutenção correta do solo fica evidente pelo compromisso fiel com Deus e pelos desejos do coração, que refletem a justiça.

• • A valorização daquilo que Deus valoriza
O primeiro dos “nutrientes” deve nos levar a pensar em como podemos estar valorizando as coisas erradas. Devemos nos esforçar no sentido de valorizar o que Deus valoriza. Um mentiroso não está valorizando o que Deus valoriza. Ele está planejando a partir da percepção de valores que são opostos ao caminho de Deus, ao qual Deus finalmente o trará de volta, ainda que isso doa.

O que nós escolhemos valorizar é a questão básica e mais significativa com que todos nós temos de lidar. É aqui que o nosso coração começa a se desviar. Achamos que algo tem valor, embora não tenha valor para Deus. Somos ótimos em atribuir valor a algo que, para Deus, é inútil. A pessoa que é mentirosa percebe coisas erradas como sendo essenciais. Veremos isso em detalhes mais adiante. Por agora, é importante vermos que um mentiroso pode estar valorizando muito aquelas coisas que para Deus não são de valor.

• • A firmeza de julgamento de acordo com a Palavra de Deus
Nenhum solo pode ser fértil sem estar firme nos planos e propósitos de Deus. Para produzir frutos, deve haver certeza daquilo que Deus requer em Sua Palavra. Em nosso caso, Deus nos pede para dizer a verdade. Quando alguém escolhe mentir, não está julgando com firmeza no que a palavra de Deus diz a respeito. Está apático ou vê a questão como uma área cinza. Talvez pense que a sua situação seja uma exceção ou que descobriu algum tipo de brecha na expectativa que Deus tem quanto a nós. Tal pessoa viu espaço para explorar uma exceção à regra ou, pior ainda, abandonou aquilo que a palavra de Deus diz. As Escrituras são claras: Deus requer de nós que falemos a verdade.

É possível que a pessoa que mente tenha se voltado para os dois exemplos nas Escrituras em que alguém mentiu e não foi explicitamente condenado por fazê-lo como as parteiras judias, que salvavam os meninos israelitas de serem jogados no rio Nilo (Êxodo 1), e Raabe, que mentiu sobre os dois espias (Josué 1). No entanto, um argumento do silêncio não é critério válido diante do que está claro nas Escrituras: vez após vez a Palavra de Deus condena a mentira e o engano (confira no livro de Provérbios).

A pessoa que mente perdeu a firmeza de julgamento de acordo com a Bíblia. Ela escolheu não acreditar no que a palavra de Deus diz sobre esse comportamento. Ela não consegue ver que passagens como Apocalipse 22.15 associam os mentirosos àqueles que praticam a magia, são sexualmente imorais, assassinos e idólatras. Pecado é pecado.

• • A percepção dos resultados de acordo com o plano de Deus
Um mentiroso acredita que ele pode se safar. Ele está convencido de que nada acontecerá, mas sua percepção dos resultados é falha. Se a percepção da diferença entre os resultados de quando se fala uma verdade e quando se fala uma mentira estiver falha, como o mentiroso pode prever que algo negativo resultará de sua mentira? Ele não tem percepção dos planos e dos propósitos de Deus e, em última análise, sua incapacidade de prever ou se importar razoavelmente com os resultados ficará evidente – ele será “pego” – e isso também será revelador quanto ao seu coração.

No coração de todos quantos mentem há uma certeza de que ninguém jamais saberá a verdade e a mentira não será descoberta porque eles foram cuidadosos em criá-la. Naturalmente, um mentiroso também é uma pessoa orgulhosa, pois acha que é “bom demais” ou “esperto demais” para ser pego no engano. Isso pode representar uma forma de orgulho muito sutil. Estamos acostumados a ver pessoas orgulhosas que são cheias de si, desagradáveis ​​e fáceis de identificar. No entanto, existem muitos pecados que são praticados como uma forma silenciosa de orgulho. Mentir é uma forma “mais silenciosa” de orgulho, não é o tipo de orgulho que se grita aos quatro ventos – afinal, o mentiroso está procurando esconder algo.

O descuido no cultivo do coração
Se você deixar de cuidar de um jardim, as ervas daninhas crescerão. Se você o abandonar por anos e anos, será impossível até mesmo dizer que algum dia tenha existido ali um jardim. A pessoa que escolhe mentir escolheu não cultivar o solo e deixar de produzir bons frutos. Ela não está cuidando do jardim que é vital para o relacionamento com s pessoas ao redor e, ainda mais importante, para o seu relacionamento com o próprio Deus. Ela escolheu o caminho que acabará por ser sua própria destruição, ela escolheu cometer o pecado da mentira.

Devemos pensar propositalmente sobre o que é verdadeiro, o que é correto e excelente (Filipenses 4.8). Ao fazermos isso, estaremos preparando nosso coração para tomar a decisão certa quando nos depararmos com uma situação em que mentir pode ser a saída mais fácil.

Conclusão
Na segunda parte do nosso estudo, consideraremos quais podem ser algumas das atitudes e desejos predominantes no coração das pessoas que preferem mentir. Para aqueles que querem ajudar alguém que luta com o pecado da mentira, é vital ajudar o mentiroso a descobrir o que ele quer acima de querer agradar a Jesus. Em um terceiro artigo, veremos como você deve agir em relação a uma pessoa que está mentindo e, se ela quiser ajuda, o que você pode fazer para ajudá-la a vencer sua luta contra a mentira.


Original: Counseling a Liar 1: The Heart of a Lie
Publicado em Counseling with Confidence and Compassion

Joshua M Greiner é o pastor de Faith West Community Ministries, e faz parte da equipe ministerial de Faith Ministries desde 2010. É formado em ciências políticas pela Purdue University e fez seu mestrado no Faith Bible Seminary.