Você o conhece? Ele é loucamente preguiçoso

 Você já se deixou vencer alguma vez pela preguiça? Você já precisou lidar com um aconselhado preguiçoso?  Se sua resposta foi sim, o que é muito provável, continue a leitura.  Com base em Crazy Lazy, de autoria de Alistair Begg, Paul Tautges[1] descreve o estilo de vida do preguiçoso, que Begg resume em cinco características. O retrato é vívido.

Toda mudança precisa começar por uma identificação real e bíblica dos fatos. É justamente esta a contribuição do retrato traçado por Alistar Begg com base em Provérbios, um retrato que pode e deve chocar tanto você quanto o seu aconselhado, mas que pode e deve promover arrependimento e encorajar a uma mudança do coração e do comportamento,  uma mudança que também pode e deve acontecer, sim, no temor do Senhor e pela graça de Cristo!


Um procrastinador habitual
“Como a porta gira sobre dobradiças, assim o preguiçoso se vira na cama” (Provérbios 26.14).
Como ele sempre se revolve sua cama, é impossível conseguir que esse personagem comece a fazer o que deve. Ele não gosta de ser abordado diretamente. Ele nunca se recusa, de fato, a fazer seja o que for. Ele não vem a público e diz: “Eu não vou fazer isso”. Ele apenas adia, pouco a pouco, momento a momento.

Feliz com suas desculpas
Na verdade, o preguiçoso é geralmente mestre em dar desculpas. Quando sua preguiça é perturbada, ele se torna incrivelmente engenhoso.  Para a pessoa que não tem uma mente predisposta ao trabalho, nunca faltam desculpas que garantam a ociosidade. O preguiçoso começa a dar até desculpas absurdas. Por exemplo, ele diz: “Há um leão no caminho; há um leão nas ruas” (Provérbios 26.13).

Sem esperança de completar suas tarefas
A terceira coisa que notamos a respeito do preguiçoso é que esse indivíduo revolve-se em sua cama totalmente sem esperança de completar suas tarefas. Ele começa a perseguir a presa, mas no curso de sua tentativa de correr atrás dela, a preguiça toma conta dele. Ele diz: “Sabe, acho que vou me deitar debaixo dessa árvore por alguns minutos”. Provérbios 26.15 oferece uma imagem gráfica desse negligente: “O preguiçoso leva a mão ao prato e nem ao menos quer levá-la à boca”.

Sempre sedento de realização
O indivíduo preguiçoso estará sempre sedento de realização, visto que em virtude da sua postura, ele nunca alcança a realização. Seus desejos estão sempre lá, mas ele nunca os realiza, nunca os concretiza. Em seu mundo de fantasia, tais indivíduos podem sucumbir aos apelos da propaganda televisiva para comprar coisas estúpidas que, aparentemente, podem deixa-lo magro e em forma. Eles pensam que se pagarem R$ 59,99 por um assento plástico e se sentarem nele, ficarão com um abdômen definido, lindo de morrer. A alma do preguiçoso deseja, mas não alcança nada – não porque ele não possa alcançar, mas porque ele não corre atrás da realização. “O desejo do preguiçoso o mata, pois suas mãos recusam-se a trabalhar” (Provérbios 21.25).

Arrogante em sua opinião de si mesmo 
“O preguiçoso considera-se mais sábio do que sete homens que sabem responder bem” (Provérbios 26.16). O indivíduo preguiçoso “é calorosamente positivo em sua autoavaliação” e pensa que de alguma forma o trabalho será feito “por osmose”.

Ele “é um personagem cômico, se não fosse trágico – ele se revolve em sua cama, tem por hábito a procrastinação, está feliz com suas desculpas, sem esperança de completar suas tarefas, sedento de realização e arrogante em sua opinião de si mesmo”.

Crazy Lazy  é um livro que traz um desafio simples e bíblico para todos nós. Na força do Senhor, que possamos mostrar diligência em todas as obras que Ele planejou para nós!


[1] Original do artigo de Paul Tautges Crazy Lazy em Counseling One Another.

Se você deseja mais recursos para o aconselhamento do preguiçoso, pode encontrá-los aqui: #Preguiça e #Procrastinação.