Como substituir um desejo por outro desejo

Na vida diária, lutamos com desejos que gostaríamos de ver desaparecer em um simples estalar de dedos. Gostaríamos que eles mudassem, e mudassem logo. Algumas vezes, são desejos por algo que contraria por natureza o plano de Deus para nós, e sabemos que satisfazê-los implica claramente praticar um pecado.  Outras vezes, são desejos por algo bom, mas desejos que crescem excessiva e desordenadamente em nosso coração, levando-nos a pecar para satisfazê-los de maneira imediata ou irrestrita, fora do tempo e do plano de Deus.

No artigo Levando a Sério a Impureza Sexual em Nossos Dias, Tim Stafford ensina como substituir um desejo por outro desejo para que vivamos de maneira agradável a Deus. Deixando de lado a estratégia do “diga não”, Tim Stafford apresenta-nos a estratégia do “diga sim”, uma estratégia bíblica e eficaz. Ele trata o assunto no contexto do desejo sexual, mas as suas orientações podem ser igualmente aplicadas a outras áreas da vida.



Como menino criado na igreja, aprendi que a impureza sexual é algo sério. Com certo encorajamento por parte de outros cristãos, procurei aniquilar a lascívia do modo mais óbvio: por meio de técnicas de autocontrole. Uma estratégia foi varrer do meu ambiente todo estímulo à lascívia — filmes, revistas. Outra foi também varrer da minha mente todo pensamento lascivo — as fantasias sexuais.

Qualquer pessoa que tenha levado a sério a lascívia pode acrescentar algo à lista das técnicas de autocontrole. Banhos frios, exercício físico, ocupação constante, versículos memorizados: tudo isso já foi testado na tentativa de acabar com a lascívia. De modo geral, não funciona. Essas técnicas podem ajudar a colocar a lascívia de lado por algum tempo, mas certamente não a eliminam. A mente humana é tão forte que pode usar qualquer imagem para alimentar a lascívia — pense nos islamitas conservadores, que cobrem até o rosto das mulheres.

Curiosamente, não encontrei nenhuma dessas técnicas na Bíblia. No Novo Testamento, as técnicas vêm claramente em segundo lugar. O apóstolo Paulo escreveu aos Colossenses: “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto. […] Pensai nas coisas lá do alto”. Depois é que ele continua: “Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria” (Cl 3.1-5).

Primeiro, pensai nas coisas lá do alto. A salvação é oferecida em Jesus – mediante Sua vida, morte e ressurreição. Ele nos perdoa, justifica-nos e dá o Seu Espírito para nos santificar. A vida no Espírito nos transforma. Domínio próprio é parte do fruto do Espírito, resultado de uma vida cheia do Espírito. A promessa de Paulo aos Colossenses é clara e direta, além de tremendamente ampla: “Vivam pelo Espírito e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne” (Gl 5.16 NVI).

Andar no Espírito? Nossa sociedade dedica-se a incitar a lascívia com propósitos comerciais. Somos inundados diariamente pela estimulação sexual que vem por meio do mundo das imagens digitais. Diante disso, os conselhos dados na escola dominical para cultivar pensamentos puros parecem ineficazes, até mesmo ingênuos. Creio, porém, que Paulo esteja pensando menos no momento da tentação e mais em uma batalha espiritual que dura a vida inteira.

Os desejos não vão embora apenas porque queremos que seja assim, eles não desaparecem como uma bolha de sabão quando oramos.

Os desejos vão desaparecendo aos poucos, quando outros desejos maiores e melhores ocupam seu lugar. Jesus nos ensinou a orar por um novo tipo de desejo: “Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o Teu nome, venha a nós o Teu reino, seja feita a Tua vontade”.  É assim que o Espírito opera, implantando o desejo de santidade em nosso coração, uma cobiça santa que cresce e ofusca todos os outros desejos. Uma estratégia baseada apenas no “diga não” jamais será suficiente para mudar a direção de maneira duradoura. Somos encorajados pelas Escrituras a dizer sim – sim para o caminho do Espírito.

Fomos “sepultados” com Cristo e “ressuscitados” com Ele pelo Espírito. Agora, portanto, fazemos nossas escolhas de acordo com essa verdade, a ponto de nos tornarmos “servos uns dos outros” pelo amor (Gl 5.13), em lugar de servirmos a nós mesmos e à lascívia.

Quando andamos no Espírito – ou seja, vivemos uma vida cristã plena em oração, louvor e serviço – progredimos rumo às melhores coisas. Praticamos o autocontrole porque desejamos o que Deus deseja para nós. Queremos algo melhor, dado pelo próprio Deus. Desejamos ter uma vida plena em Cristo e tudo quanto Ele nos concede com essa vida. Essa é uma ambição boa. Um homem e uma mulher que desejam a prática sexual conforme biblicamente proposta – sexo somente com o cônjuge – revelam a atuação de Deus em sua vida. Desejar o seu cônjuge é bom, é parte da vida no Espírito – é desejar o que Deus deu.

A vida no Espírito é uma caminhada difícil, por um caminho estreito. O melhor cristão, o mais devoto e cheio do Espírito, luta com desejos errados. Ele pode até ser tentado bem mais do que as outras pessoas, pois as forças do mal estão sempre em ação e usam meios cada vez mais poderosos e sutis para tentar: da lascívia que Playboy oferece à lascívia do poder. Não temos as técnicas para eliminar da nossa vida o pecado nem mesmo a tentação. Lutaremos contra eles até estarmos face a face com Jesus.

Um dia veremos Jesus. E não podemos esquecer que Ele está conosco agora, dando-nos os Seus desejos.


Você encontra na íntegra o artigo Levando a Sério a Impureza Sexual em Nossos Dias, por Tim Stafford,  no volume 4 de Coletâneas de Aconselhamento Bíblico, que pode ser adquirido na Livraria OPV.

CAB_post


Você quer aprender mais sobre como aconselhar biblicamente?

O Seminário Bíblico Palavra da Vida também oferece nos seus vários cursos matérias na área do aconselhamento bíblico.  No CLD (Curso de Liderança e Discipulado para pré-universitários), no Curso Teológico Ministerial, bem como no  CFTM (Centro de Formação Teológica e Ministerial), o aluno tem oportunidade de estudar os princípios bíblicos que orientam a vida cristã e são base para o crescimento pessoal e também para o discipulado e aconselhamento. Assuntos como passado, perdão, culpa, perspectiva de si mesmo, ansiedade e medo, depressão, relacionamentos interpessoais, solução de conflitos, e outros mais, são trabalhados biblicamente.

sbpv-50No CLD, o aluno pré-universitário recebe um treinamento intensivo em aconselhamento bíblico que o prepara para ajudar amigos e colegas na igreja local e no campus universitário. No CFTM, o Curso de Formação de Conselheiros trabalha em detalhes os fundamentos e a prática ministerial. Já no Curso Avançado de Ministério Cristão (um programa modular, adequado a padrões de mestrado lato sensu), o aluno tem oportunidade de preparar-se cursando matérias como Introdução ao aconselhamento bíblico, Problemas e procedimentos no aconselhamento bíblico, Avaliação de teorias do aconselhamento, Teologia bíblica da família Aconselhamento bíblico da família, Hermenêutica aplicada ao ministério. E o curso de Especialização em Aconselhamento Bíblico, um curso modular com duração de apenas um ano, tem como propósito dar uma capacitação básica para a atuação na igreja local e outros contextos ministeriais.

São diferentes oportunidades que você pode aproveitar dependendo da sua disponibilidade e do seu objetivo pessoal e ministerial. Para informações, visite o site do Seminário Bíblico Palavra da Vida.