Pare de tentar melhorar!


Isso mesmo, você leu certo! Pare de tentar melhorar! Não sei se você fica aliviado ou escandalizado com isso. Talvez seja um pouco chocante, mas estou convencido de que precisamos rever a mentalidade caracterizada pelos esforços do tipo “Eu preciso melhorar!”

Olhe ao seu redor. Homens carregam a culpa de não serem os líderes, maridos ou pais que deveriam ser. Então, chegam à conclusão que “precisam melhorar”, mas estão estagnados há tantos meses, anos ou até mesmo décadas. Sem esperança. Mulheres convencidas da necessidade de serem “melhores” esposas ou mães estão à beira de jogar a toalha. Sem esperança. Jovens na luta incansável com a pureza querem “melhorar!”. Mas o pecado parece ser um “melhor” estrategista, sempre encontrando um jeito de seduzir. Sem esperança. E quanto às disciplinas espirituais? “Eu preciso melhorar minha vida de oração!” “Eu preciso melhorar minha leitura bíblica!” Tantas situações com o mesmo desfecho: sem mudança, sem esperança.

Por que devo parar de tentar melhorar?
A mudança descrita na Bíblia resultante do poder do Evangelho é bem diferente dessa ideia de “melhorar!”. Podemos identificar três razões que revelam a insuficiência da mentalidade de melhoria em detrimento da mudança operada pelo Evangelho.

-1-. Porque é uma mentalidade genérica
Tentar melhorar é um conceito genérico que não direciona a mudança alguma. Como você irá ser um “marido melhor”? O que é ser uma “esposa melhor”? Jovem, você está “melhorando na pureza”? Sua vida de oração está “melhor”?. Temos dificuldades em responder de forma positiva e produtiva a cada uma dessas perguntas. Muitas vezes, querer melhorar tem por trás uma boa motivação, mas isso não é suficiente. A Bíblia não usa termos genéricos de melhora espiritual. Por exemplo, a Palavra de Deus nos chama a vivermos de modo digno do Evangelho (Efésios 4.1, 17; Filipenses 1.27). Esse chamamento é detalhado e abrangente.

Viver de modo digno do Evangelho é detalhado no próprio contexto da revelação divina. Os autores bíblicos nos chamam a viver situações específicas: maridos amem suas esposas como Cristo amou a Igreja (Efésios 5.25); esposas sejam submissas a seus maridos (Efésios 5.22); jovens deixem a prostituição (1 Tessalonicenses 4.3); orem sem cessar (1 Tessalonicenses 5.17). São mandamentos objetivos e claros. Por outro lado, os mandamentos são abrangentes o suficiente para se aplicarem em contextos diversos. Amar a esposa é um mandamento que será traduzido com aspectos distintos em lares, matrimônios e culturas diferentes. O mesmo acontece com os demais mandamentos. Isso não é relativizar tudo, mas aplicar a Palavra de Deus em toda e qualquer situação, de forma abrangente e específica. Isso é bem diferente de “tentar melhorar!”.

-2- Porque tem a referência errada
Tentar melhorar implica uma referência errada. Alguém que tenta melhorar está buscando um estado pessoal superior a um estado pessoal anterior. Isso está parcialmente correto. Sem dúvidas, o crescimento espiritual implica um progresso visto no decorrer do tempo: hoje melhor que ontem. Porém, essa mentalidade pode se perder facilmente com um referencial de mudança equivocado. A “busca por melhoria” tem o referencial em si mesmo, tentando atingir uma versão atualizada de si próprio. Como consequência, o crescimento fica estagnado ou, na melhor das hipóteses, desacelerado. A busca por melhorias sem o referencial em Cristo irá se contentar com pouco, deixando de ser ativa na luta contra o pecado e na busca por comunhão com Cristo.

O progresso espiritual tem um foco superior e externo a nós: Jesus Cristo (Hebreus 12.1-3). Com os olhos fixos no Autor e Consumador de nossa fé, seguimos progredindo com um referencial certo e seguro. Inclusive, é nesse contexto que somos lembrados a correr com perseverança (Hebreus 12.1).

Por isso, a mudança bíblica é sempre ativa em conhecer mais de Cristo. Mudança genuína não se contenta em vencer algum tipo de pecado com consequências incômodas. Um coração que tem como objetivo de vida crescer na graça e no conhecimento de Jesus Cristo é um coração em constante progresso e amadurecimento (Filipenses 3.10). Agora pense, quanto tempo demora para conhecer Alguém Infinito? Não tem outra resposta senão a eternidade. Ter a Cristo como referencial irá manter seu coração no caminho da perseverança. Isso é bem diferente de “tentar melhorar!”.

-3- Porque é resultado de mero esforço humano
“Tentar melhorar” é uma mentalidade baseada no esforço humano de obedecer a Deus. É muito comum a noção de que a Palavra de Deus seja um conjunto de regras sobre o que devemos ou não fazer para alcançarmos a Deus e desfrutarmos de comunhão com Ele. Sem sombra de dúvidas, a Bíblia contém mandamentos, mas essa não é a sua mensagem principal. A Bíblia não é um livro de regras para alcançar alguma benção especial, mas é a revelação especial de Deus. A Bíblia narra o plano maravilhoso de salvação em Cristo Jesus e seus desdobramentos para o povo de Deus, mostrando Sua glória. Uma visão de vida cristã baseada na mera tentativa de cumprir regras é insuficiente:

Vocês morreram com Cristo, e ele os libertou dos princípios espirituais deste mundo. Então, por que continuar a seguir as regras deste mundo, que dizem: ´Não mexa! Não prove! Não toque!´? Essas regras não passam de ensinamentos humanos sobre coisas que se deterioram com o uso. Podem até parecer sábias, pois exigem devoção, abnegação e rigorosa disciplina física, mas em nada contribuem para vencer os desejos da natureza pecaminosa. (Colossenses 2.20-23, NVT)

O texto não nega a importância da obediência, mas a coloca no lugar certo. A obediência não é o meio pelo qual alcançamos a salvação ou a santificação. A obediência é a expressão da salvação e da santificação dadas por Cristo Jesus a nós:

“Uma vez que vocês ressuscitaram para uma nova vida com Cristo, mantenham os olhos fixos nas realidades do alto, onde Cristo está sentado no lugar de honra, à direita de Deus. […] Portanto, façam morrer as coisas pecaminosas e terrenas que estão dentro de vocês. […] Revistam-se da nova natureza e sejam renovados à medida que aprendem a conhecer seu Criador e se tornam semelhantes a ele.” (Colossenses 3.1, 5, 10, NVT)

De forma ainda mais explícita,

Foi por iniciativa de Deus que vocês estão em Cristo Jesus, que se tornou a sabedoria de Deus em nosso favor, nos declarou justos diante de Deus, nos santificou e nos libertou do pecado.  (1 Coríntios 1.30, NVT)

O progresso da vida cristã envolve esforço humano, mas nunca à parte da obra e pessoa de Jesus Cristo. Portanto, a mudança bíblica é uma expressão de fé na obra de Jesus; a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus (Romanos 10.17), e quem de fato ouve põe em prática (Tiago 1.22). Assim, começamos a entender melhor a profundidade de crer em Jesus (João 6.28, 29). A obediência sempre foi a marca dos que creram e amam a Deus (João 14.23). Isso é bem diferente de “tentar melhorar!”.

Não tente mais, arrependa-se!
Diante da realidade do Evangelho de Jesus, somos confrontados e consolados. A mudança bíblica é garantida pela obra de Cristo e não por múltiplas e falhas tentativas humanas. Jesus completou a obra que lhe foi dada (João 17.4; 19.28, 30), garantindo um processo com início, meio e fim (Romanos 8.28-30; Filipenses 1.6). Portanto, o progresso cristão não é resultado de múltiplas tentativas humanas, mas do sacrifício perfeito de Jesus em nosso favor. Jesus se fez pecado em nosso lugar, para nos dar Sua justiça (2 Coríntios 5.21). É garantido!

Mas se a mudança não acontece? E se ainda estou estagnado? Creia uma vez mais! E continue crendo. É aqui que entra o arrependimento: reconheça que o Senhor está lhe trazendo a convicção de mudança, olhe para Jesus Cristo, o Autor e Consumador de nossa fé, e cresça na graça de Deus. Por vezes, essa é uma jornada intrigante, mas rica em oportunidades de conhecer mais da graça suficiente de Jesus.

Isso é bem diferente de “tentar melhorar!”.



Original no site da Igreja Batista Maranata.
Publicado em Conexão Conselho Bíblico com permissão do autor.