Seu kit de ferramentas para ajudar os adolescentes

Paula Marsteller

Você se sente uma pessoa inadequada para ajudar os adolescentes com quem convive? Talvez você pense que precise de um curso intensivo sobre emojis ou de um perfil ativo no Snapchat para conseguir ser uma influência positiva na vida deles. 

Você não é a pessoa adequada para ajudar os adolescentes
Talvez você nunca tenha se aproximado muito dos adolescentes por ter medo de não conseguir responder às suas perguntas ou de não saber lidar com as necessidades deles. Ou talvez você até mostrou para eles alguns versículos bíblicos, mas acordou no dia seguinte se perguntando: Será que eu realmente ajudei? Os meus comentários foram relevantes? Ou eu só coloquei um peso muito grande em suas costas?

De certa maneira, esse não é um lugar ruim para se estar, pois você percebeu que não possui nada a oferecer a menos que Deus trabalhe na vida daqueles adolescentes. Jesus sabia do que estava falando quando disse: “Sem mim vocês não podem fazer nada” (Jo 15.5). Você e eu seremos sempre insuficientes aqui na terra.

No entanto, espero encaminhá-la hoje para a direção que você precisa tomar para ser capaz de ajudar os adolescentes na variedade das suas dificuldades. Não estou dizendo que não há lugar para você aprender e se preparar mais – eu amo aprender! No entanto, se eu pudesse lhe dar um conselho, eu diria para você estudar a fundo e se especializar em um assunto. Eu também a incentivaria a aprender mais sobre como aplicá-lo a todos os aspectos e situações diferentes que possam surgir.

O evangelho é adequado para ajudar os adolescentes
Você está pronta? É do evangelho que o seu adolescente necessita. Sim, para a salvação (Romanos 1.16), mas também para a vida diária. Rapazes e moças precisam da sua ajuda para ver como a morte e a ressurreição de Cristo têm tudo a ver com seus programas de sexta-feira à noite e as manhãs de segunda-feira… e tudo que acontece entre esses dois momentos.

Como posso lhe afirmar isso? A Bíblia nos diz isso. Confira as palavras de Paulo em 1Coríntios 15.1, 2:

Irmãos, quero lembrar-lhes o evangelho que lhes preguei, o qual vocês receberam e no qual estão firmes. Por meio deste evangelho vocês são salvos, desde que se apeguem firmemente à palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês têm crido em vão.

Você entendeu o que esses versículos dizem? Aquelas pessoas receberam o Evangelho por meio da fé (no passado), elas estão firmes (no presente), e são salvas por essa mensagem (no presente e no futuro).

No que consiste o evangelho? Paulo continua:

Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras (vv. 3 e 4).

Por que é tão difícil aplicar o evangelho?
“Mas Paula”, você questiona, “se tudo aquilo de que os meus adolescentes necessitam (e tudo aquilo de que eu preciso) está na Bíblia, então por que é tão difícil aplicar às situações do dia a dia?”  Creio que seja porque nós não compreendemos totalmente o significado e os resultados do evangelho para nossa própria vida. Também porque é mais fácil lidar com o comportamento, ou seja, lidar com aquilo que vejo com meus próprios olhos. Conectar os pontos e perceber o porquê de os adolescentes precisarem do evangelho significa que queremos mais que uma conformidade externa.

Eu me pergunto: Queremos mesmo dar esse passo a mais? Será que queremos realmente que o coração de cada adolescente seja cativado por Deus, ou queremos apenas uma conformidade aparente com as regras que nos fazem sentir bem quando elas são cumpridas?

Se você deseja seguir a primeira opção (e eu espero que sim!), você precisa ir ao coração dos adolescentes e entender por que eles estão fazendo o que fazem. A má notícia é que esse é um processo mais demorado. Não é tão fácil quanto dizer “Pare de fazer isso!” ou “Dê um jeito nisso!”. Você tem que cavar mais fundo para ir à raiz do problema. A boa notícia, porém, é que quando você aplica o evangelho aos problemas que encontramos no nosso coração, ele realiza uma mudança real e duradoura de dentro para fora.

Então, por onde você pode começar?

4 maneiras práticas de começar
Aqui estão algumas dicas para você que quer aplicar o evangelho à vida dos adolescentes – ou à vida de qualquer outra pessoa.

1- Medite sobre as verdades bíblicas. Familiarize-se o quanto possível com o evangelho. Pense a respeito. Faça orações baseadas nas verdades do evangelho. Leia livros a esse respeito. Memorize versículos bíblicos. Converse sobre o evangelho com crentes e incrédulos. Ore pedindo que Deus restaure a sua admiração por aquilo que Ele fez e faz na sua vida por meio de Cristo. Viva e respire essa verdade. Fale a respeito dela. Vá dormir pensando sobre as verdades bíblicas. Não se canse de fazer isso.

2- Interaja com os adolescentes. Aproxime-se deles na igreja e mostre interesse pela vida de cada um deles. Vá assistir à peça de teatro que eles estão apresentando. Convide-os para ir ao shopping com você ou para outra atividade. Ame os adolescentes que estão ao seu redor, e não pense apenas em fazer de tudo para mudá-los. Procure conhecê-los melhor. Escute. Divirta-se com eles.

3- Ore. Ao invés de focar no fato de que você não se sente relevante para ajudá-los, ore pelos adolescentes com quem você convive. Ore, pedindo que Deus ajude a vê-los como Ele os vê. Ore que Deus encha o seu coração de amor por eles. Ore que eles entendam as verdades do evangelho. Peça a Deus que Ele faça o que apenas Ele pode fazer e dê a esses adolescentes uma vida completa e abundante em Cristo.

4- Aplique o evangelho às situações de vida que eles enfrentam. Se um adolescente continua distante quando você fala do evangelho, é possível que você não tenha explicado a verdade claramente, ou que o coração dele esteja endurecido e seus olhos cegos para as boas novas. Saiba, porém, que a culpa nunca é do próprio evangelho. Ele é e continua a ser, como Romanos 1.16 diz, “o poder de Deus para a salvação”.

Vamos praticar!
Dito isso, é hora de ir à prática, aplicando o Evangelho às lutas que os adolescentes costumam ter.

Você é pega de surpresa quando a filha do seu pastor confessa para você que ela costuma ver pornografia. Ela é umas das líderes do grupo de jovens, você a conhece e convive com ela e sua família há anos. Como reagir de maneira bíblica? 

Primeiramente, reconheça que ela precisou de uma enorme coragem para lhe contar isso. Aqui está um comentário de uma adolescente real, registrado no blog LiesYoungWomenBelieve, e você pode perceber o quanto é difícil para ela contar seus problemas para as mulheres da igreja:

Eu fiquei um mês inteiro achando que fosse lésbica ou bi […]  Em resposta à sua pergunta sobre o quanto nós nos sentimos seguras para falar sobre isso com outros crentes, claro que não! […] Eu acreditava que se eu contasse para as pessoas o que eu estava sentindo, elas ficariam desesperadas. Da mesma forma, eu não me sinto segura para contar às outras pessoas que eu luto contra a masturbação. Contei para as pessoas que eu me cortava e praticava bulimia, mas quanto a esses pecados sexuais, de maneira nenhuma eu conseguiria contar para alguém da minha igreja.

Essa não é a única moça que se sente assim. Você mesma talvez sinta que não pode compartilhar seus pecados e suas dificuldades com pessoas da sua igreja. Queremos que isso não continue a acontecer nas igrejas, pois Deus nos instrui a confessar os nossos pecados uns aos outros, e orar uns pelos outros, para que possamos ser curados (Tiago 5.16).

Não fique baratinada, ajude a aplicar o evangelho!
Por que alguns pecados precisam ficar escondidos? Não deveria ser assim! Nenhum pecado, além do pecado de rejeitar a Cristo até o fim, é tão grande que Deus não possa perdoar, porque o Seu Filho pagou inteiramente a penalidade dos pecados daqueles que colocam a confiança nEle.

Você e eu precisamos colaborar para que a igreja se torne um ambiente seguro para que confessemos uns aos outros as nossas lutas com o pecado, oremos uns pelos outros, e cada um receba a ajuda de que necessita. Que lugar poderia ser mais seguro que a igreja, onde sabemos que somos aceitos em Cristo e que podemos lutar contra os nossos pecados e caminhar juntos no árduo trabalho de arrependimento e mudança? Isso deveria fazer com que nós nos sentíssemos mais à vontade para falar o quanto somos realmente falhos.

Um bom ponto inicial, portanto, é encorajar o adolescente. Diga que você admira sua transparência e deseja ser transparente também. Em seguida, aplique o evangelho à situação específica que o adolescente está vivendo. Aqui está um resumo simples e muito valioso dado pelo do pastor Tim Keller:

Nós somos mais iníquos do que jamais ousamos acreditar. Ao mesmo tempo, somos mais amados e aceitos em Cristo do que jamais ousamos esperar.

Considere encontrar-se regularmente com os adolescentes para estudar junto com eles as verdades do Evangelho e orar com eles.

Estou convencida de que tudo aquilo que o adolescente necessita em suas lutas pode ser encontrado no evangelho de Cristo. Tudo que o adolescente necessita, tudo o que você necessita, e tudo que todos neste planeta necessitam.

Não se preocupe se você não tiver completado um mestrado em aconselhamento bíblico, ou se você não está a par das últimas tendências da moda. Você tem tudo aquilo de que necessita para ajudar os adolescentes… no evangelho de Cristo.



Original: Your Gospel Toolkit to Help Teens  postado em em Revive our Hearts
Tradução: Julia Distler
Revisão: Conexão Conselho Bíblico