A igreja local e o aconselhamento bíblico

Luke Bylsma

O propósito deste post é despertá-lo para alguns motivos pelos quais seu aconselhado precisa da igreja e sugerir algumas maneiras práticas de implementar isso.

Uma manutenção rotineira da nossa alma
O aconselhamento assemelha-se um pouco ao trabalho de um mecânico. Ocasionalmente, os motoristas são descuidados com seus carros. Seja um vazamento de óleo que causa falha no motor, seja a baixa pressão do pneu que leva a um furo, quando não se está cuidando bem do veículo, acabamos por vê-lo rebocado para um mecânico. Assim que os problemas do carro forem resolvidos, um bom mecânico aproveitará a oportunidade para compartilhar com o motorista como ele pode evitar que o problema volte a acontecer. Resumindo, os cuidados e a manutenção rotineira podem manter o carro em condições de uso ideais e seguras.

Em muitos aspectos, os conselheiros bíblicos são como os mecânicos que ajudam as pessoas a lidar com os solavancos, os arranhões e os acidentes da vida. Como qualquer bom mecânico, porém, nosso objetivo é ajudar as pessoas a entender como manter o “carro” em boas condições. Um conselheiro bíblico ajuda o aconselhando em problemas e lutas pontuais, mas o aconselhamento não tem o objetivo de durar para sempre. O aconselhado precisa da igreja local para a “manutenção rotineira” de sua alma.

Como conselheiros, nossa tarefa não é cuidar das pessoas e esperar que sobrevivam alguns meses antes de voltarem a nos procurar. O que queremos é aconselhá-las por um período e depois vê-las prosperar na igreja local. Essa é a nossa esperança.

No coração disso está o entendimento de que a igreja local é importante em nosso processo de crescimento cristão. Se não acreditarmos na importância da igreja local, nossa maneira de aconselha refletirá isso. Embora eu valorize o aconselhamento bíblico, valorizo muito mais a contribuição da igreja local como um corpo. Quero sugerir alguns motivos pelos quais seu aconselhado precisa da igreja e algumas maneiras práticas para aplicar isso.

O crescimento do seu aconselhado está conectado ao crescimento da igreja local.
Em Efésios 4.11-16, vemos a importância do crescimento individual e corporativo. À medida que os indivíduos crescem, o corpo cresce. À medida que o corpo cresce, o indivíduo cresce. Corpo e indivíduo são partes inseparáveis que podemos inadvertidamente separar por não conectar o aconselhado à igreja local. Precisamos ver nosso aconselhado menos como uma flor que cresce isolada, e mais como um ramo de videira que está unido a outros crentes.

O aconselhado tem um papel a desempenhar na igreja.
Em 1Coríntios 12.13, Paulo nos lembra que todos os cristãos são “batizados em um só corpo”. Como membro desse corpo, seu aconselhado tem um papel vital a desempenhar, mesmo enquanto está sendo cuidado por você. Sim, às vezes ele pode ser “surpreendidos em alguma falta” (Gl 6.1), mas isso não o separa do corpo. Embora precisemos de sabedoria ao considerar o quanto permitir que ele sirva na igreja local enquanto talvez lute para vencer um pecado, o fato é que, ao cumprir seu papel na igreja, seu crescimento é acelerado.

O papel  do conselheiro é temporário, o da igreja não é.
O seu tempo com o aconselhado terminará. O relacionamento temporário que você estabeleceu com ele chegará ao fim e outros aconselhados entrarão em sua agenda. Como conselheiros, uma das partes essenciais de nossa tarefa é fazer com que os aconselhados se conectem a uma igreja local que ensina e pratica Bìblia para que possam continuar a crescer uma vez terminado o período de aconselhamento.

O aconselhado precisa de uma família, não apenas de um encontro semanal.
Precisamos de mães espirituais. Precisamos de pais espirituais. Precisamos de irmãs e irmãos espirituais. Precisamos de uma família espiritual. Tito 2 é apenas um exemplo disso. Seu aconselhado precisa de uma família que o acolha, ame, ande com ele, esteja disponível para ele e possa discipulá-lo quando você não puder.

O aconselhado precisa mais do que aquilo que um conselheiro pode oferecer.
Deus criou a igreja para ser composta de uma variedade de pessoas com uma variedade de dons para alcançar um propósito. Parte do propósito dessa variedade é que os membros possam cuidar uns dos outros. Sem essa variedade, não haveria equilíbrio e seríamos deficientes e fracos. Com esta variedade, porém, podemos crescer até “a medida da estatura da plenitude de Cristo” (Ef 4.13).

A igreja precisa ministrar.
Não são os líderes da igreja que são chamados para fazer toda a obra do ministério, mas os membros. Os líderes equipam os membros para o ministério de forma que o corpo possa crescer (Ef 4.11). O crescimento espiritual dos membros da igreja depende de eles cumprirem sua parte no ministério. Sempre que enfatizamos excessivamente nossa importância e “experiência”, impedimos a igreja de crescer.

O aconselhado precisa da igreja. Ela é vital para seu crescimento cristão. Então, como devemos fazer para que isso aconteça? Aqui estão algumas ideias práticas para conectar o aconselhado à igreja, presumindo que ele já esteja frequentando sua igreja.

Como conectar o aconselhado à igreja
Ao se preparar para começar a ajudar um novo aconselhado, considere, em espírito de oração, convidar outro membro da sua igreja para participar dos encontros de aconselhamento. Isso permitirá que, pelo seu exemplo, você ensine a esse membro como aconselhar, além de ajudá-lo também a construir um relacionamento com o aconselhado para ser potencialmente a pessoa que continuará a caminhar com ele após o término do aconselhamento com você.

Incentive o aconselhado a convidar alguém para um relacionamento de prestação de contas de sua vida cristã. Pode ser alguém entre seus amigos do grupo pequeno, da classe da escola dominical ou da igreja em geral. Incentive-o a considerar em espírito de oração quem ele pode chamar para participar de sua vida e depois peça-lhe que procure essa pessoa como parte das atividades que deve cumprir entre um encontro e outro como você. Se ele está disposto a compartilhar com aquela pessoa as lutas ou as dificuldades que está enfrentando, ele está se conectando ao corpo e dando início a um possível processo contínuo discipulado.

Devemos cuidar de nossos aconselhados, apontando-lhes a  igreja local para uma “manutenção rotineira” de sua alma.

Incentive seu aconselhado a se envolver na igreja local. Isso pode ser entrar em um pequeno grupo, participar de um grupo de estudo bíblico ou encontrar uma maneira de servir aos outros. À medida que ele se inserir cada vez mais no corpo, haverá mais oportunidades para compartilhar suas lutas e sofrimentos, e provavelmente ele descobrirá que não é o único a enfrentar lutas e sofrimentos. Na verdade, ele pode perceber que Deus também o está chamando para carregar os fardos de outros (Gl 6.2). Faça do inserimento na igreja local parte das atividades práticas que o aconselhado deve cumprir semanalmente e tenha um bom inserimento como um requisito necessário para poder chegar ao término da série de seus encontro de aconselhamento com ele.

Meu apelo a todos nós é que vejamos que a igreja local é vital para o crescimento de nossos aconselhados. Sejamos conselheiros que cuidam dos aconselhados, apontando-lhes a igreja local para a manutenção rotineira da alma.


Luke Bylsma é um conselheiro certificado pela Association of Certified Biblical Counselors (ACBC) e pastor na Lakeshore Baptist Church em Grand Haven, MI.



Original: Routine Maintenance of Our Souls Your Counselee and the Church
Artigo publicado pela Association of Certified Biblical Counselors.  Traduzido com autorização.

Tradução de Carla Silva
Revisão e adaptação para o português por Conexão Conselho Bíblico