13 princípios sábios para quando seu namoro terminar

Como romper um relacionamento para a glória de Deus
Deepak Reju

Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” 1Coríntios 10.31

Se eu ganhasse um centavo cada vez que alguém senta em meu sofá, em prantos por causa do rompimento recente de um relacionamento, acho que eu seria um homem rico. Sou pastor de uma igreja que reúne muitos jovens – a idade média dos membros é de 28 anos. Via de regra, se você juntar vários homens e mulheres solteiros no mesmo ambiente, é natural que eles passem tempo juntos e, eventualmente, eles se casem. Conversas sobre “com quem eu deveria namorar?” ou “com quem eu devo me casar?” são parte corriqueira do meu ministério.[1]

Nem todos os relacionamentos terminam em casamento. E os cristãos, infelizmente, podem se parecer muito com os incrédulos quando se trata de terminar um relacionamento. Eles podem ignorar um ao outro, espalhar fofocas sobre o “ex”, sentir uma falta intensa demais, lutar com amargura na superação da dor da perda, render-se às contínuas espiadelas na sua página do Facebook ou Instagram para saciar a curiosidade – será que ele já superou nosso rompimento? Será que ela ainda está sofrendo tanto quanto eu?

Se o evangelho faz uma diferença real em nossa vida, isso deveria ficar claro nos piores momentos.  Mas se o namoro do cristão não é diferente do namoro de um incrédulo, então nossa fé mostra-se relativamente inútil.

O que significa terminar um relacionamento para a glória de Deus? Estou falando sério. Como terminar um relacionamento de maneira que honre a Deus e honre a outra pessoa, especialmente quando consideramos que essa pessoa é um irmão ou irmã em Cristo?

Treze princípios para lembrar

1. Lembre-se de que vivemos em um mundo caído.
Não existe um namoro sem risco. Provérbios 13.12 lembra que “a esperança que se retarda deixa o coração doente, mas o anseio satisfeito é árvore de vida.”. Muitas vezes, quando acontece um rompimento no relacionamento, pelo menos um dos dois ainda alimentava a esperança de trabalhar o relacionamento, mas o seu anseio fica insatisfeito. Embora gostaríamos que não fosse dessa forma, precisamos ter expectativas realistas e, acima de tudo, colocar nossa esperança não na pessoa com quem estamos namorando, mas em Deus que nunca falha.

2. Seja seu “sim”, “sim” e seu “não”, “não”.[2]
Não use de rodeios. Se você sabe que deve terminar o namoro, é melhor arrancar o band-aid, e ir direto ao ponto.  Isso não significa que você deve ser cruel. Nós ainda somos chamados para falar a verdade em amor (Ef 4.15) e falar apenas palavras que edifiquem e sejam oportunas (Ef 4.29).

3. Fale pessoalmente, não por e-mail, Twitter, Facebook ou telefone.
Essa é uma maneira simples de honrar o outro e de proporcionar espaço para perguntas e esclarecimentos.

4. Não faça do rompimento uma conversa de mão única.
Muitas vezes, a pessoa que está terminando o relacionamento investiu bastante tempo para pensar no assunto e chegar às suas conclusões, mas então despeja tudo sobre a outra pessoa e vai embora. Não faça isso. Há momentos em que é útil deixar espaço para uma outra conversa, dando “um tempo”, se você quiser chamar assim, uma oportunidade de ouvir e processar um pouco mais. Pode haver dúvidas ou aspectos para discutir depois. Alguns preferem pensar sozinhos, outros não.

5. Seja bondoso e amável em sua forma de agir.
A pior coisa a se fazer é atirar pedras e lançar a culpa na outra pessoa, fazendo com que ela se sinta não apenas triste pelo relacionamento perdido, mas também culpada, como se ela fosse a responsável. Mesmo no momento do rompimento, você precisa ser atencioso, gentil e amoroso para com a outra pessoa (Efésios 4.1-3; Colossenses 4.6; Tito 3.2). Afinal de contas, você está lidando com um filho de Deus, amado por Deus e, então, o que lhe dá o direito de tratá-lo diferentemente de como Deus o trata? Se você não está seguro de como agir, procure um crente mais maduro e peça-lhe ajuda.

6. Não use como um trunfo o conselho do pastor, de um amigo, dos pais ou de um conselheiro.
“Eu falei com fulano sobre isso, e ele acha que nós devemos terminar.”  É tentador fazer isso ao invés de assumir a própria responsabilidade. Quando se trata de decidir com quem vamos ou não casar, precisamos nos aconselhar, mas ainda lembrar que, em última instância, essa é uma decisão que cada pessoa deve tomar. Se você concorda com os conselhos recebidos, aproprie-se deles

7. Lute contra a amargura
Quando a nossa esperança quanto a um relacionamento se despedaça, existe a tentação de remoer os detalhes mais e mais em nossa mente até apodrecerem. O que podemos fazer para lutar contra a amargura? Considere os pontos 8, 9 e 10.

8. Presuma o melhor quanto à motivação da outra pessoa.
1 Coríntios 13.7 lembra-nos que o amor “tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”. Nós não podemos perscrutar os corações, julgar as motivações e concluir que estas estão sendo maliciosas.  Presuma o melhor.

9. Pregue a verdade para si mesmo.[3]
Por exemplo, quando você estiver lutando contra a tentação de cultivar a amargura, abandone-a porque Deus é reto e justo – nós não precisamos tomar a vingança em nossas mãos. Paulo escreveu em Romanos 12.19, 21: “Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: “Minha é a vingança; eu retribuirei”, diz o Senhor. […] Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem”. Nós podemos perdoar quando lembramos como Deus nos perdoou em Cristo, conforme lemos em Efésios 4.32: “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo”.

10. Encontre sua identidade em Cristo, não no relacionamento perdido.
“Apesar disso, esta certeza eu tenho: viverei até ver a bondade do Senhor na terra. Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor” (Salmo 27.13, 14). Precisamos lembrar que assim como nossa identidade está baseada em Cristo durante o relacionamento de namoro (nós não somos definidos com base nesse relacionamento nem por termos feito ou recebido um pedido de namoro), o mesmo acontece  na hora do rompimento. O relacionamento rompido não define quem você é agora. A maioria das pessoas na igreja não está pensando sobre esse rompimento o quanto como você está.  Então, quando as pessoas lhe perguntarem como vai sua vida, sinta-se à vontade para compartilhar sobre outras coisas que estejam acontecendo, pois é bem provável que você tenha muitos assuntos sobre os quais falar. Considere ter todo cuidado, e até mesmo falar somente com um casal de amigos próximos sobre os detalhes de como você está processando ou lutando com a questão, tendo em vista proteger e edificar os outros em suas conversas.

11. Lembre-se de nossa responsabilidade de fazer o bem a todos os cristãos, mesmo ao seu ex-namorado ou ex-namorada.
É normal (e às vezes é necessário) que o relacionamento entre vocês não volte a ser exatamente como era antes do namoro. É correto manter certa distância ou colocar limites para proteger seu coração – dê tempo ao tempo.  Por outro lado, você tem a responsabilidade de fazer o bem a essa pessoa como irmão ou irmã em Cristo. Paulo escreveu em Colossenses 3.13: “Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou”. Isso inclui um ex-namorado, ou ex-namorada, especialmente se essa pessoa quebrou seu coração.

12. Não presuma que depois do rompimento você deva procurar outra igreja.
É possível você e a pessoa que você namorou permanecerem na mesma igreja. Muitos presumem que devem sair da igreja devido ao desconforto inicial. É mais fácil fugir e evitar a situação do que cumprir a difícil tarefa de viver “em paz” uns com os outros para finalmente, às vezes anos mais tarde, voltarem a ser amigos. Não é errado ir para outra igreja, mas não queremos presumir que esta seja a única saída que você pode encontrar depois de terminar o namoro.

13. Lembre-se de que, independentemente de quão dolorosa seja a separação, Deus está usando essa experiência difícil para a sua santificação.
Paulo disse em Romanos 8.28: “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito”. Seu rompimento está incluído nesta frase: “todas as coisas”. Se você é um crente em Cristo, Deus está usando essa experiência para o seu bem. Por mais duro que possa ser, Ele está trabalhando para que você seja mais parecido com Seu Filho. Você pode não querer isso agora.  Em meio à dor e à tristeza por causa do relacionamento desfeito, o que você mais desejaria é ter seu ex-namorado ou namorada de volta. Ou talvez você queira só ficar se revolvendo em sua mágoa e tristeza. Busque conforto no fato de que Deus quer usar essa situação para refinar sua vida; Ele quer usar as “diversas provações” (Tiago 1.2) para ajudá-lo a se tornar mais parecido com Cristo .

[1] O primeiro rascunho deste artigo foi preparado por Zach Schlegel, que redigiu as ideias que compartilhamos em uma classe à qual ministramos juntos sobre namoro. Fiz uma revisão e alguns acréscimos à versão original.
[2] Mateus 5.37 diz: “Seja o seu ‘sim’, ‘sim’, e o seu ‘não’, ‘não’; o que passar disso vem do Maligno”.
[3] Exemplos de pregar a verdade a si mesmo podem ser Salmo 42.5 e Salmo 62.5.

_____________________________

Original:  13 wisdom principles when ending a dating relationship: how to break up to the glory of God
Fonte: The Biblical Counseling Coalition

Tradução: Cláudia Sacchetto / Revisão: Maria Cecilia Alfano

Um comentário sobre “13 princípios sábios para quando seu namoro terminar

Os comentários estão desativados.